Comunicação Social do MPPR

Patrimônio Público

02/08/2018

MPPR oferece primeira denúncia contra organização criminosa envolvida em cartel e fraude a licitações do lixo, investigada na Operação Container

Dezenove pessoas, seis das quais presas preventivamente, foram denunciadas pelo Ministério Público do Paraná nesta quinta-feira, 2 de agosto, como consequência da Operação Container, deflagrada em julho para investigar fraudes a licitações de coleta e destinação do lixo em diversas cidades paranaenses.

Treze empresários ligados a dois grupos econômicos, cinco funcionários de um desses grupos, um ex-estagiário e um servidor do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) foram denunciados por integrarem a organização criminosa. Ao oferecer a denúncia, o Ministério Público requereu a manutenção das prisões preventivas e que o servidor do IAP seja afastado do cargo e proibido de frequentar qualquer das sedes do Instituto.

A denúncia é a primeira apresentada no âmbito da Operação Container, que teve origem em investigação conjunta dos núcleos de Guarapuava (Centro-Sul paranaense) do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria). A ação penal (número 0003622-21.2018.8.16.0104) tramitará no Juízo Criminal de Laranjeiras do Sul, que também deferiu as medidas de busca e apreensão e prisão cumpridas na semana passada.

Contando com a colaboração do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), as investigações continuam a apurar a prática dos crimes de cartel, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e crimes contra o meio ambiente no âmbito de licitações municipais para contratação do serviço de destinação de resíduos sólidos pelos integrantes da organização criminosa denunciada.

Informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
(41) 3250-4249

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem