MP investiga problemas nos serviços da TIM no Paraná

Data 30/05/2012 | Assunto: Consumidor

Promotoria do estado não descarta entrar na Justiça para impedir a venda de novas linhas pela operadora
O Ministério Público do Paraná (MP-PR) instaurou nesta terça-feira (29) um inquérito civil para investigar os problemas na qualidade dos serviços prestados pela TIM no estado. O órgão não descarta a possibilidade de requerer na Justiça o impedimento da venda de novas linhas pela operadora, segundo comunicado do promotor de Justiça Maximiliano Ribeiro Deliberador.

A investigação teve início após o promotor perceber um aumento no número de reclamações dos clientes da TIM em fóruns da internet, de acordo com a assessoria de imprensa do MP. A Anatel terá dez dias, a partir do momento em que for notificada -- provavelmente nesta quarta-feira --, para entregar um relatório detalhado com os números da fiscalização de qualidade realizado mensalmente com as operadoras.
Os dados disponíveis no site da agência reguladora mostram que a TIM cumpre os requisitos mínimos exigidos. A coleta dos dados é feita por amostragem.

“A Anatel ainda terá de informar se a TIM tem atendido aos prazos determinados pela agência para a realização da ampliação de sua rede de prestação de serviço móvel e se a infraestrutura destinada à prestação deste serviço está adequada às exigências da agência reguladora, considerando, especialmente, os níveis de falhas, quedas de chamadas e ausências de sinal”, afirma nota do MP-PR.

O Ministério Público também solicitou que o Procon-PR apresente um relatório com as reclamações e os procedimentos instaurados contra a operadora nos últimos três anos.

Mercado

A TIM tem hoje 48,9% de participação de mercado no Paraná, estado em que apresenta a maior liderança sobre as concorrentes. Vivo e Claro têm 19,6% e 19,1%, respectivamente. A empresa foi a primeira a estabelecer ligações de R$ 0,50 entre aparelhos da operadora, promoção que teve grande sucesso de público.

Para alguns especialistas, o crescimento no número de clientes, e o consequente aumento no uso dos serviços de voz e dados, seria o motivo dos problemas enfrentados pela empresa.

No ano passado, no Ceará, em duas ocasiões a operadora foi proibida de vender novas linhas e de fazer a portabilidade numérica de clientes de terceiros. Caso semelhante ocorreu em fevereiro deste ano em Pernambuco. Um juiz do estado proibiu a venda de novas linhas por 30 dias. A operadora recorreu da liminar e voltou a comercializar seus serviços duas semanas depois.

Para TIM, MP foi informado sobre investimentos
Em nota, a TIM informou que participou de uma reunião com o Ministério Público do Paraná, no início deste mês, quando “apresentou seu plano de expansão da rede e investimentos no estado e reforçou seu compromisso de ter a satisfação dos clientes como prioridade”.

A empresa também informou que está investindo R$ 95 milhões em infraestrutura no estado em 2012. Em abril, em entrevista à Gazeta do Povo, o diretor comercial da TIM no Sul do Brasil, Alexandre Ratacheski, afirmou que a empresa está passando por um processo de modernização dos equipamentos, e que as falhas podem ser consequência dessa mudança.

"Não podemos falar para o nosso cliente que ele vai ficar dois meses sem sinal porque vamos trocar os equipamentos, então estamos trocando o pneu com o carro andando, uma operação que está sujeita a problemas”, afirmou ele, à época.

Segundo Ratacheski, a capacidade de tráfego da TIM no Paraná será 60% maior do que a atual ao término do processo de troca de equipamentos. A operação será finalizada em agosto.

Fonte: Gazeta do Povo, 30/05/2012




Está notícia foi publicada no Central de Comunicação Social do MPPR https://comunicacao.mppr.mp.br

Endereço desta notícia:
https://comunicacao.mppr.mp.br/modules/noticias/article.php?storyid=13356