Os Bilhões Perdidos No Lixo - Material Orgânico

Data 01/01/1970 | Assunto: Meio Ambiente


De cada 100 caixas de produtos agrícolas plantados, só 39 são consumidas por alguém (representadas em cima da colher). Os grãos caídos na mesa representam os produtos que se perdem no processo

* As porcentagens se referem ao volume dos alimentos. Os números acima consideram produtos industrializados

Fonte: Sabetai Calderoni

A frase acima pode soar absurda. Mas é isso mesmo que pensa o economista Sabetai Calderoni, da Universidade de São Paulo, maior especialista brasileiro em lixo e conselheiro da ONU no assunto. Segundo ele, o conceito que a sociedade tem do lixo "é produto de uma visão equivocada dos materiais". Sabetai, autor do livro Os Bilhões Perdidos no Lixo, afirma que, embora nem tudo o que se joga fora possa ser aproveitado como comida, todo o lixo pode ser aproveitado de alguma forma.

Um dos maiores potenciais desperdiçados é o não-aproveitamento do lixo orgânico, que geralmente vem de restos de alimentos. Esse lixo poderia se transformar em algo útil se passasse por um processo chamado compostagem. Nele, o lixo é submetido à ação de bactérias em alta temperatura e se transforma em dois subprodutos. Um é um adubo natural, o outro é o gás metano, que é usado na geração de energia termoelétrica.

A quantidade de gás metano produzido pela compostagem de todo o lixo orgânico brasileiro que não pode ser recuperado como comida seria suficiente para alimentar uma usina de 2 000 megawatts (a usina nuclear de Angra I tem capacidade de 657 megawatts). Uma usina termoelétrica como essa produziria, em um ano, 3,6 bilhões de reais em energia. E jogamos quase todo esse dinheiro no lixo. Só 0,9% do lixo brasileiro é destinado a usinas de compostagem.

E estamos falando apenas do lixo orgânico. O inorgânico também poderia gerar lucros. A reciclagem de vidro, plásticos e metais é perfeitamente viável em termos econômicos – e já é praticada, em quantidades cada vez maiores.

O país lucraria também ao poupar o dinheiro que é gasto para dar fim ao lixo. "Lixo é o único produto da economia com preço negativo", diz Sabetai. Em outras palavras, o processamento de lixo é o único negócio no qual a aquisição da matéria-prima é remunerada – paga-se para livrar-se dela. E paga-se muito. As prefeituras brasileiras costumam gastar entre 5% e 12% de seus orçamentos com lixo.

Sem falar que o melhor aproveitamento do lixo valorizaria dois bens que não têm preço: a saúde da população e a natureza. Segundo a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 76% do lixo brasileiro acaba em lixões a céu aberto. Esses lixões são uma ameaça à saúde pública porque permitem a proliferação de vetores de doenças. Além disso, a decomposição do lixo nesses locais não só gera o metano que polui o ar como também o chorume, um líquido preto e fedido que envenena as águas superficiais e subterrâneas.

O outro motivo para incentivar essa indústria são os empregos que ela poderia gerar. O Brasil produz 280 000 toneladas de lixo por dia (veja gráfico ao lado). Descontando as 39 000 toneladas de alimento viável que poderiam ser facilmente extraídas desse lixo e disponibilizadas às populações carentes, ainda seria possível gerar 120 000 empregos só no processamento do resto, nos cálculos de Sabetai. Pois é. Lixo não existe. O que existe é ignorância, falta de vontade e ineficiência.

37% - Reciclagem

Já são recicladas 35 000 toneladas de papel, vidro e metal todos os dias no Brasil, um número considerável


49% - Compostagem

A compostagem transforma lixo orgânico em energia elétrica e adubo. O Brasil não aproveita esse potencial


14% - Alimento humano

Nada menos que 39 000 toneladas de comida poderiam ser aproveitadas facilmente como alimento


Desperdício

Embora seja possível utilizar 100% do lixo, só 13% é efetivamente aproveitado, principalmente com a reciclagem de papel, de vidros e de metais

Na livraria

Os Bilhões Perdidos no Lixo, Sabetai Calderoni, Humanitas, São Paulo, 1997

O Que é Lixo? Luciana Leite de Miranda, Brasiliense, São Paulo, 1995



Endereço desta matéria:

http://www.superinteressante.com.br/superarquivo/2002/conteudo_227704.shtml


1987 - 2008 Editora Abril S.A. Todos os direitos reservados




Está notícia foi publicada no Central de Comunicação Social do MPPR https://comunicacao.mppr.mp.br

Endereço desta notícia:
https://comunicacao.mppr.mp.br/modules/noticias/article.php?storyid=16049